Estrada do Encanamento, 675.

Casa forte

info@emporiopernambucano.com.br

Tel: (81) 9 7914-3028

© 2015 por Empório Pernambucano

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Instagram Icon

Queijo do Reino o Queijo dos Nobres do Reino de Portugal

December 20, 2017

 

Conhecido como Edam e produzido na Holanda ele chega ao Brasil para alimentar a corte do Rei de Portugal estabelecida no Rio de Janeiro em 1808 após fugir dos exércitos de Napoleão. A chegada do monarca português ao Brasil é um dos episódios mais marcantes da história. Em quatro séculos de colonização, D. João VI era o primeiro monarca Europeu a pôr os pés nas Américas. Nem o Brasil, nem Portugal seriam os mesmos depois dessa chegada. 

 

Desembarcando no Rio, após uma breve passagem por Salvador, a capital da enorme colônia nas Américas é uma cidade pacata que contava em 1808 com apenas 60 mil pessoas. Dessas, 12 mil eram de trabalhadores escravizados e 29 mil eram crianças. Esta era a capital da colônia. Com o Rei desembarcaram 10 mil pessoas, toda a elite do reino. Estes deveriam estabelecer no Rio um governo capaz de controlar um império colonial que da Europa incorporara a metade da América do sul, incluindo ainda quase todas as ilhas a altura do equador no oceano Atlântico, que ia das Índias a África Oriental. 

 

Queijo do Reino ganha este nome por ter sido importado para abastecer a corte portuguesa no Rio. Conhecido como Queijo Flamengo em Portugal, o Edam tem forma arredondada e casca avermelhada, que é resultado da mistura com o Urucum nativo das Américas. Prova da relação existente entre os nativos americanos e os Holandeses. No entanto, as semelhanças do Edam com o Queijo do Reino param por ai, a textura e o sabor divergem completamente. É durante os meses da longa viagem até o Rio que o Edam holandês se transforma no nosso queijo do Reino.

 

Exposto a condições de tempo, temperatura e umidade bastante diferentes do original europeu durante os meses necessários a travessia do Atlântico, o queijo que chega a mesa da corte portuguesa em nada é semelhante ao embarcado meses antes. A tradicional lata que o envolve ainda hoje foi feita para evitar que o queijo se estragasse durante a travessia do Atlântico. É só na década de 1850 que o português Carlos Pereira de Sá Forte contratou técnicos, e comprou maquinas e vacas holandesas para produzir na região das Minas Gerais o tradicional Queijo dos Nobres Portugueses, agora adotado pela elite local. 

 

Conheça a nosso loja virtual

 

A chegada em Pernambuco 

Não se sabe ao certo como o Queijo do Reino chegou a Pernambuco. Há quem faça uma relação com o período do domínio holandês. Mas o fato é que é no nordeste Brasileiro que se concentra cerca de 90% do consumo nacional do produto. Pernambuco e Bahia são os campeões de consumo, sendo o primeiro principalmente na época natalina e o segundo nas festividades juninas do meio do ano. Minas Gerais apesar de ter um consumo irrisório é o maior produtor do país, já Pernambuco o maior consumidor, sozinho o Estado consome cerca de 40% da produção nacional. 
 

A produção do queijo é cara, para fazer um quilo do Queijo do Reino são necessários 14 litros de leite. O processo de fabricação dura no mínimo 2 meses, tempo de maturidade do queijo, e durante todo esse tempo ele precisa ser virado todos os dias. Isso aliado a predominância de uma produção artesanal e a concentração de fábricas no sudeste acabam encarecendo o produto. 

 

Em Pernambuco destaca-se o laticínio Campos da Serra, em Pombos, na produção do Queijo do Reino. A empresa produz queijos do reino de três tipos: bronze (com três a seis meses de maturação), prata (seis a nove meses), ouro (nove meses a um ano) e diamante (de um a dois anos).
 

Conheça a nosso loja virtual

 

Conheça o site da Campos da Serra 
-http://www.campodaserra.com.br/home/

 

 

Livros Consultados

- WILCKEN, Patrick. Império à deriva: A corte Portuguesa no Rio de Janeiro 1808-1821. Ponto de leitura. Tradução Vera Ribeiro. Rio. 2010.
- GOMES, Laurentino. 1808: Como uma rainha louca, um principe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Brasil e Portugal Ed Planeta. SP 2007

Sites consultados:

- http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/nacional/noticia/2015/12/25/queijo-do-reino-historia-e-peculiaridades-do-rei-do-natal-214098.php (em 23.11.2016) 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Blog

Posts em Destaque

Engenho São Pedro e a produção de Cachaça ecologicamente correta

May 5, 2018

1/10
Please reload

Arquivos
Please reload

Siga nos
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon